fbpx

Você sabia que verrugas e câncer do colo de útero têm algo em comum?

Bravacinas. HPV pode acontecer!

Ambos são resultado da infecções causadas pelo HPV

O papilomavírus humano (HPV) pode acontecer, pois é um vírus altamente contagioso e uma das principais vias de contaminação são as relações sexuais, incluindo o toque das mãos em genitais infectados. Na maioria das vezes é assintomática – o que não significa que não seja transmissível. Existem mais de 200 tipos de HPV – e alguns deles são oncológicos, ou seja, com elevado potencial de evoluir para uma lesão cancerígena. 

Saiba quais tipos de câncer o HPV causa e como se proteger!

O HPV pode infectar a pele ou as mucosas, dando origem a verrugas no local contaminado, como pés e mãos. Cerca de 20% dos papilomavírus causam infecções no trato ano-genital, gerando lesões conhecidas como precursoras. Essa infecção, se não for identificada e tratada a tempo, pode evoluir para um câncer, afetando, principalmente, o colo do útero. Mas o câncer causado pelo HPV também pode se desenvolver na vagina, vulva, ânus, pênis, orofaringe e boca.

Dos tipos considerados com alto risco oncogênico, que são cerca de 13,  em mais de 70% dos casos do câncer do colo do útero (também conhecido como câncer cervical) foi identificada a presença dos tipos 16 e 18. O vírus não tem cura até o presente momento e o tratamento feito é apenas para eliminar as verrugas. 

A boa notícia é que a vacina contra o HPV, indicada pelo Programa Nacional de Imunização, disponível na Bravacinas, previne quatro tipos de HPV: 6, 11, 16 e 18, incluindo os dois tipos que causam o maior número de ocorrências do câncer cervical. 

A vacina pode ser administrada a partir dos nove anos de idade em meninas e meninos e, para aqueles que já extrapolaram a idade inicial, não tem problema realizar a imunização tardiamente. Até os 15 anos incompletos, são duas doses do imunizante, com intervalo de seis meses entre elas; depois dos 15 anos, é necessário uma dose adicional, sendo que o esquema deve ser fechado também em seis meses. O ideal é que os jovens estejam com o esquema vacinal completo antes do início da vida sexual, pois mesmo o uso dos preservativos, fundamentais para prevenir infecções sexualmente transmissíveis, a proteção ao HPV é parcial. Embora rara, a transmissão vertical do HPV entre mães e bebês no momento do parto também pode ocorrer, o que é mais um bom motivo para investir na prevenção da doença por meio da vacina. 

Na rede privada de vacinação humana, homens e mulheres de até 45 anos podem ser imunizados contra o HPV, de acordo com a recomendação da Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm). A vacina também é essencial para pessoas convivendo com HIV/Aids, pacientes oncológicos em tratamento e pessoas transplantadas.

A vacina é uma excelente aliada na prevenção da doença, mas o exame de rotina conhecido como papanicolau não deve ser negligenciado pelas mulheres que já iniciaram a vida sexual, pois a detecção precoce das lesões precursoras aumenta as chances de sucesso no tratamento.  

O câncer do colo do útero é o terceiro tipo que mais acomete as mulheres brasileiras e o quarto em número de mortes. A estimativa do Inca é de mais de 16 mil novos casos por ano e uma média de mortes de 6,6 mil pessoas. 

Para prevenção do câncer do colo de útero, você pode contar com a proteção da vacina HPV Quádrupla, disponível na Bravacinas!

Saiba mais aqui.

Vacinação empresarial garante a segurança e saúde do trabalhador

Posts relacionados